Nossa Escola Bom Jesus

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Bom Jesus dos Navegantes serve à população de Prainha do Canto Verde, uma Reserva Extrativista decretada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 05 de junho de 2009 (p. 5. Seção 1. Diário Oficial da União (DOU) de 08 de Junho de 2009) e comunidades circunvizinhas, do distrito de Paripueira, no município de Beberibe, Ceará.

Em 1981, a Prefeitura Municipal de Beberibe construiu um pequeno prédio, com duas salas de aula. A escola foi fundada pelo Decreto nº 364/1990 de 14 de agosto de 1990, inscrita no censo escolar nº 23059079, e denominada Escola Municipal Bom Jesus dos Navegantes.

Em 1995, a escola foi contemplada com o Projeto Criança Construindo, da Fundação ABRINQ.  Tinha como objetivos incentivar a inserção da comunidade dentro da escola, promover a melhoria da qualidade de vida local, reduzir os índices de evasão e reprovação, apostando na capacitação e formação continuada dos professores.

Ao final de 1997 a comunidade, com recursos de projetos comunitários da Associação dos Moradores da Prainha do Canto Verde, apoiada pela Associação dos Amigos da Prainha do Canto Verde e em parceria com a Prefeitura, iniciou a construção de um novo espaço, com cinco salas de aula, salas de biblioteca, auditório e artes, secretaria, refeitório, banheiros, uma horta e um galpão para aulas de produção de brinquedos e artesanato.

Em 2010 a Escola Nova foi ampliada com a construção de mais algumas dependências: duas salas com banheiros para Educação Infantil, salas de Multimeios, de Professores e Multifuncional e um amplo espaço coberto.

A Escola utiliza-se da coleta de dados, arquivos e relatórios sobre o desempenho dos alunos, através das avaliações internas e externas realizadas ao longo do ano, tais como: Provinha Brasil (2º ano), SPAEBE (6º ao 9º ano), Prova Brasil (5º e 9º ano), SPAECE-ALF (2º ano), SPAECE (5º e 9º ano), ANA (3º ano), além das provas e avaliações bimestrais.

Temos um sonho de instituir uma educação diferenciada em nossa escola e essa diferença começa na própria forma como enxergamos o nosso Projeto Político Pedagógico: um instrumento de afirmação de direitos e cidadania, onde a experiência de educação na comunidade ultrapasse as fronteiras do pedagógico e se estenda à construção identitária e territorial.